Programa de Pós-Graduação em Jornalismo
  • Abertas inscrições para disciplina isolada

    Publicado em 28/02/2020 às 11:13

    Estão abertas as inscrições para vagas em disciplinas isoladas no PPGJOR/UFSC. Essas disciplinas podem ser cursadas por interessados que não estejam ainda matriculados no mestrado ou doutorado do programa. A modalidade permite que aspirantes a vagas efetivas conheçam a dinâmica do PPGJOR.

    Neste semestre, o Programa está oferecendo vagas em quatro disciplinas eletivas: Estudos Avançados em História do Jornalismo, Estudos Avançados em Economia e Politica do Jornalismo: Jornalismo e Espaço Público, Estudos Avançados em Tecnologia do Jornalismo e Tópicos Avançados em Tecnologias, Linguagens e Inovação em Jornalismo.

    As inscrições são gratuitas e online, e o prazo para fazê-las vai de hoje, 28 de fevereiro, a 4 de março.

    Todos os detalhes estão no edital.


  • PPGJOR lança edital para selecionar mestrandos e doutorandos

    Publicado em 28/02/2020 às 11:04

    O Programa de Pós-Graduação em Jornalismo (PPGJOR/UFSC) lança hoje o edital do processo seletivo 2020 para o ingresso de novos mestrandos e doutorandos. Interessados podem fazer suas inscrições gratuitas até 17 de março, e a seleção tem três etapas: avaliação de projetos e currículos, prova escrita e entrevista.

    Todas as datas, prazos e detalhes da disputa estão no edital, e um modelo de projeto de pesquisa a ser submetido está disponível neste link. Foram abertas 18 vagas de mestrado e 13 de doutorado.

    O PPGJOR é um programa dedicado a pesquisar o jornalismo e a formar investigadores e professores na área. Seus 15 professores estão distribuídos em três linhas de pesquisa: Cultura e Sociedade, Tecnologias, Linguagens e Inovação, e Conhecimento e Profissão. O programa existe desde 2007, é um dos únicos do país a oferecer Mestrado e Doutorado em Jornalismo, e tem nota 4 no sistema de avaliação da Capes.


  • Mais uma revista em parceria com Universidade de Coimbra

    Publicado em 19/02/2020 às 11:28

    Acaba de ser publicado o número 9 da revista Mediapolis, editada pelo Grupo de Investigação em Comunicação, Jornalismo e Espaço Público, do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (Ceis20), da Universidade de Coimbra, Portugal. Com o dossiê “Reinventando Novos Pactos Globais para a  Ética da Comunicação e do Jornalismo”, esta é a segunda publicação seriada na parceria que o PPGJOR tem com os colegas portugueses.

    Em dezembro passado, a Estudos em Jornalismo e Mídia, revista do PPGJOR/UFSC, publicou o especial “Qualidade no Jornalismo, Democracia e Ética”, que terá um segundo volume em junho próximo. “No seu conjunto, cremos que estas iniciativas darão um contributo importante para a atualização do tema junto da comunidade lusófona”, comentam os editores Carlos Camponez e Rogério Christofoletti na apresentação da Mediapolis.

    A edição das três revistas está no âmbito da Rede Lusófona pela Qualidade da Informação (RLQI), fundada em dezembro de 2018, e que reúne pesquisadores e jornalistas de Portugal, Brasil, Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Timor e Macau. Um livro sobre regulação do jornalismo nos países de língua portuguesa também está sendo produzido e tem previsão de lançamento ainda neste ano.


  • PPGJOR apoia nota da Fenaj em defesa das mulheres jornalistas

    Publicado em 19/02/2020 às 08:25

    Os mais recentes ataques nas redes sociais, no Parlamento e vindos até da presidência da República motivaram a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) a emitir nota contra o machismo e em defesa das mulheres jornalistas. O PPGJOR apoia a manifestação e reproduz a nota a seguir:


    Em defesa das mulheres jornalistas
    e contra o machismo

    Num cenário em que o jornalismo profissional tem assumido um ingrato protagonismo nas disputas políticas que ocorrem no Brasil, mais uma vez, o Presidente da República, Jair Bolsonaro, protagoniza grave episódio de machismo, sexismo e misoginia. Nesta terça-feira (18/02), o mandatário decidiu atacar a repórter Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de S.Paulo, em pronunciamento com falas de conotação sexual, gravadas em vídeos transmitidos ao vivo.

    A jornalista vem sendo alvo de pesados ataques virtuais dos seguidores do presidente e do próprio clã bolsonarista por seu trabalho de jornalismo investigativo, que denunciou o pagamento, por um grupo de empresários apoiadores de Bolsonaro, para envio em massa de mensagens falsas por meio de aplicativo, na campanha presidencial de 2018.

    Na semana passada, a premiada repórter foi novamente atacada nas redes sociais, após mentiras declaradas por um depoente na CPMI das Fake News. Na ocasião, Hans River Nascimento, ex-empregado de uma agência de disparo de mensagens digitais mentiu em depoimento, com declarações de cunho sexista, injuriando a repórter e pondo em xeque seu rigoroso trabalho jornalístico.

    O filho do presidente, deputado federal Eduardo Bolsonaro, repercutiu as declarações mentirosas sobre a produção da matéria jornalística em sua conta no Twitter e no plenário da Câmara, inflamando os seguidores a alimentarem a rede de ódio contra Patrícia na internet.

    A partir deste episódio, as mulheres jornalistas desse país também foram vítimas de viralização de vídeo, imagens e “memes” que relacionam a apuração de matérias jornalísticas e a produção de notícias a troca por sexo. Assim, a pouco mais de duas semanas do 8 de Março, data emblemática da luta feminista, toda uma categoria profissional é atingida pela violência de gênero.

    A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), mais uma vez, manifesta repúdio ao teor do pronunciamento do presidente e, junto com sua Comissão Nacional de Mulheres, coloca-se como incansável na tarefa de denunciar, tão sistemático quanto forem, os absurdos declarados por Jair Bolsonaro.

    Dedicamos nossa solidariedade e atuação sindical, seja no campo político ou no jurídico (em fase de encaminhamento), às mulheres desse país, às mulheres jornalistas, às mulheres trabalhadores, na pessoa de Patrícia Campos Mello, na certeza de que não passarão os insultos e ofensas de cunho machista, sexista e misógino. Que nosso grito de repúdio sirva para frear tais comportamentos, vindos de quem quer que seja, sobretudo do mandatário da Nação, que deveria defender toda a população e, sobretudo, as maiorias silenciadas de direitos.

    Brasília, 18 de fevereiro de 2020

    Comissão Nacional de Mulheres da FENAJ

    Federação Nacional dos Jornalistas


  • Pesquisadores do PPGJOR participam de projeto de parceria Brasil-Alemanha

    Publicado em 18/02/2020 às 06:31

    Três professores e uma doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da UFSC estão na equipe do projeto “Communication and Democracy: Media Accountability, Public Service Media, Internet Access and the Right to Information in Germany and Brazil”, que reúne universidades brasileiras e da Alemanha para uma pesquisa de quatro anos. O projeto foi apresentado em junho de 2018 ao edital Probral, da Capes e do Deutscher Akademischer Austauschdienst (DAAD), maior serviço alemão de intercâmbio acadêmico.

    Em dezembro passado, foram anunciados os 25 projetos aprovados, e dois apenas da área da Comunicação. “A aprovação indica a relevância da pesquisa que busca a compreensão da contribuição das mídias, do jornalismo, da comunicação pública e do direito à informação para a vitalidade democrática, em perspectiva comparativa internacional, propondo direções adequadas de aperfeiçoamento da produção e circulação de informações”, comenta o coordenador brasileiro do projeto, Danilo Rothberg.

    Além da UFSC, fazem parte da equipe brasileira do projeto pesquisadores da Unesp e UnB. Do lado alemão, a coordenação está com pesquisadora Susanne Fengler, da Technische Universität Dortmund.

    O projeto prevê até 2023 missões de estudo e pesquisa, estágio pós-doutoral e doutorado-sanduíche de brasileiros na Alemanha, e vice-versa. A equipe brasileira tem 13 pesquisadores e quatro são do PPGJOR/UFSC: os professores Jacques Mick, Rita Paulino e Rogério Christofoletti, e a doutoranda Marcionize Bavaresco.


  • Egressa do PPGJOR pesquisa e leciona em Portugal

    Publicado em 17/02/2020 às 07:00

    Uma recém-doutora formada pelo PPGJOR cruzou o Atlântico para impulsionar sua trajetória acadêmica. Seis meses depois de defender sua tese, Ana Marta Moreira Flores está em Portugal, como “investigadora doutorada” no iNOVA Media Lab, laboratório de destaque do Instituto de Comunicação da Universidade Nova de Lisboa. Além da pesquisa, Ana Marta também terá desafios na sala de aula. Neste ano, vai dividir quatro turmas no mestrado em Gestão e Curadoria da Informação com uma colega docente. O mestrado é oferecido pela Information Management School e pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Nova e as aulas são todas em inglês, já que recebe alunos intercambistas de diversos países.

    A história de Ana Marta com Portugal começou antes da conclusão do doutorado. Desde 2017, ela faz parte do Social Media Research Techniques (SMART), grupo que desenvolve pesquisas com foco em digital methods. Desde 2018, ela também ajuda a organizar o SMART Data Sprint, evento com pesquisadores e cientistas de dados para desenvolver projetos durante uma semana, durante o Digital Media Winter Institute. Na última edição do evento, no mês passado, Ana Marta ofereceu dois workshops: “Shaping questions for Trends Studies through Digital Methods” e “Getting to know data extraction + text analysis tools” (este com a professora Elena Pilipets). “Tem sido uma experiência super rica e desafiadora, porque estou reunindo duas áreas que não têm um histórico combinado e aprendendo muito com isso”, afirma.

    Ana Marta Moreira Flores fez mestrado e doutorado no PPGJOR. Em 2012, ela defendeu uma dissertação sobre Twitter e jornalismo de moda, e sete anos depois, apresentou sua tese sobre estudos de tendências e jornalismo de inovação. Nas duas ocasiões, foi orientada pela professora Raquel Ritter Longhi no grupo de pesquisa Nephijor.


  • Professor em pós-doutorado na UnB

    Publicado em 14/02/2020 às 08:50

    A partir de março e por um ano, o professor Samuel Lima vai atuar junto ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade de Brasília (UnB) para o seu estágio pós-doutoral. Ele estará sob a supervisão do professor Fábio Henrique Pereira.

    Samuel Lima vai investigar a relação jornalismo-conhecimento-hegemonia considerando como marco teórico as obras de Adelmo Genro Filho, Robert Park e principalmente Antonio Gramsci. O professor do PPGJOR pretende consolidar o estudo num livro voltado a estudantes de graduação e pós-graduação em jornalismo e comunicação, a ser lançado em 2021.


  • Pós-graduandas do PPGJOR são selecionadas para Escola de Verão da Alaic

    Publicado em 13/02/2020 às 09:01

    Mais uma vez, estudantes do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da UFSC vão participar da Escola de Verão da Asociación Latino Americana de Investigadores de Comunicación (Alaic). A mestranda Alessandra Natasha Costa Ramos e as doutorandas Janaíne Kronbauer dos Santos e Nayane Cristina Rodrigues de Brito foram selecionadas para a sétima edição do evento que reúne pesquisadores e pós-graduandos de diversos países para minicursos, palestras, debates e vivências de aprimoramento de pesquisa.

    Neste ano, a Escuela de Verano acontece de 2 a 6 de março na Facultad de Ciencias y Artes de la Comunicación da Pontifícia Universidade Católica do Peru (PUCP), em Lima. A iniciativa tem como objetivo aperfeiçoar as pesquisas acadêmicas que estão em desenvolvimento por doutorandos e mestrandos, de modo a qualificar esses estudantes e promover um ambiente cooperativo e internacional.

    A Escuela de Verano é uma promoção da Alaic e de uma rede de universidades do Chile, Bolívia, Uruguai, Venezuela, Argentina, Porto Rico e Brasil, entre as quais a UFSC.

    As pós-graduandas participarão do evento com apoio parcial da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e do PPGJOR.


  • Pesquisadora do PPGJOR faz pós-doutorado no Canadá

    Publicado em 12/02/2020 às 09:22

    A professora Rita de Cássia Romeiro Paulino, pesquisadora e subcoordenadora do PPGJOR, está de malas prontas para Toronto, no Canadá. Ela foi a única selecionada da área da Comunicação para receber bolsa do CNPq para pós-doutorado no exterior (PDE).

    A partir de março e por um ano, Rita Paulino estará no Social Media Lab, da Ryerson University, sob supervisão do professor Anatoliy Gruzd, diretor de pesquisa daquele laboratório. A pesquisa a ser desenvolvida tem como título “O infoengajamento popular visualizado em dados como um guia para a tomada de decisões, sentimentos e políticas públicas”. A professora do PPGJOR pretende investigar o potencial do papel da participação das pessoas nas redes sociais quando fatos ou notícias de impacto são divulgados na mídia. “A participação popular abrange discussões sobre as condições sociais, econômicas e culturais e permite a prática livre e igualitária de opiniões que podem impactar na determinação de políticas públicas, fortalecer a cidadania, mobilizar comunidades, dar voz a quem não tem”, completa a pesquisadora.